Archive for the ‘Protagonismo y participación’ Category

RI MA8. Notas da avaliação final.

novembro 24, 2014
Alice Lee 9,5
Camila Pinheiro Rodrigues Agostinho 7,5
Carolina Morote Atra 8,5
Carolina Nascimento Ferreira 9,5
Christine Pardini de Souza 9,5
Cristina Toth Piller 9,5
Daniel Petrini Victorino 9,0
Danilo Guimarães Santos 9,0
Gabriel Albinati Malaguti 9,5
Gabriela Juarez Cocito 9,0
Gabriela Padua de Carvalho 9,5
Gustavo Catharino Vieira Migliore 8,5
Gustavo Rufo Peres 10
Jade Sophie de Souza Pinheiro 8,0
Larissa Frozel Barros 8,5
Letícia Cordeiro de Souza Paes 7,5
Ligia Zambone Moreira 10
Luiza Elias Munhos 9,5
Maria Vassimon de Assis 9,5
Mariana Fumagalli Marteleto
Marina Calife Dauar 8,5
Natalia Rodrigues Foschini 8,0
Nathália Reale Knoll 9,5
Olivia Prada Wey 4,0
Pedro de Camargo Florence 8,5
Rafael Mignoni Teixeira 8,5
Rodrigo Augusto Duarte Amaral 10
Thais Miyuki Coelho Sakaguchi 8,5
Tiê Franco Brotto 9,0
Vitoria Marques Lorente 9,0
Zeila Maria dos Reis Lauletta Lindoso 9,0
Anúncios

Nicarágua: 35 años después

novembro 21, 2014

SOLIDARIDAD INTERNACIONALISTA

La llamada de Nicaragua, 30 años después

COLECTIVO

Miércoles 29 de octubre de 2014

Guardar este artículo en PDF Versión para imprimir de este documento

El pasado 27 de septiembre nos reuníamos simultáneamente en Madrid y en Managua sendos grupos de veteranos y veteranas internacionalistas de la Nicaragua sandinista de los 80, la mayoría de los cuales no habíamos vuelto a vernos desde entonces.

El encuentro venía preparándose desde hace más de un año y se había conseguido recontactar a más de 120 internacionalistas, incluyendo brigadistas, voluntarios(as) y cooperantes del Estado español que en aquella década se unieron a otros miles, procedentes de muchos países diferentes, que atrajo entonces Nicaragua, desde la primera oleada provocada por la Cruzada Nacional de Alfabetización puesta en marcha por el gobierno sandinista poco después del triunfo revolucionario, el 19 de julio de 1979. El apasionante reto de una revolución en uno de los países más pobres del continente americano, enfrentada a la guerra de baja intensidad financiada por el imperialismo, basada en una visión no dogmática ni burocrática de la transformación social y económica, cautivó y movilizó a miles de internacionalistas, y aquella experiencia marcó nuestras vidas. Desde el Estado español fueron sucesivas las remesas de voluntarios(as) organizadas desde la red de Comités de Solidaridad con Centroamérica existentes en todo el estado, o desde sindicatos y comités de empresa, o de forma espontánea e individual, hasta la derrota electoral sandinista en el año 90. Y muchas y muchos seguimos posteriormente vinculados, bien con Nicaragua, o bien con la solidaridad y la cooperación internacional. Recordar y documentar esa experiencia es el primer motivo de este reencuentro; y además, también el reflexionar sobre qué mensaje o lección nos ofrece, 30 años después. Como primer resultado de ambos encuentros, fue aprobada la siguiente declaración.

Luis Suárez “Güiti”

Declaración internacionalista

Nos llamaron internacionalistas, brigadistas, cheles, y también cosas peores, y nos creímos aquello de que otro mundo era posible. Nos aventuramos a cruzar fronteras enigmáticas sin pensar en las posibles consecuencias de semejante temeridad. Nos atrevimos a movernos por el planeta, con la ingenuidad de pensar que las fronteras no deberían existir. Construimos puentes y no barreras, saliendo del estado español para caer, sin paracaídas, en suelo nicaragüense. Pensando en comernos el mundo, al llegar a tierra firme nos dimos cuenta que era el mundo el que se nos iba a devorar.

Atraídos por la oportunidad que se nos brindaba de participar en la construcción de una nueva sociedad, nos unimos allí a muchas otras personas que ya habían acudido desde todos los rincones del mundo para apoyar a un pueblo que se acababa de liberar de la opresión.

En la memoria de nuestra piel y de nuestra historia latía la gesta de la solidaridad internacional con la república española y contra la sublevación militar fascista, solidaridad tan generosa como en muchos casos heroica.

Estimulados, además, por nuestra reciente salida del largo túnel de la dictadura, todo contribuía a dar sentido y continuidad a una nueva movilización transfronteriza con la que construir un tejido moral, solidario y generoso que sentíamos imbatible, en apoyo a la construcción de sueños y de vidas más justas.

Llevábamos en la mochila un puñado de libros y la sana intención de enseñar al que no sabe. Pero una vez estrellados contra una realidad mucho más compleja, nos dimos cuenta que nuestros desfasados manuales nos iban a servir de poco, que nuestras ganas de enseñar se habían convertido en ganas de aprender, que la esperanza de construir un mundo nuevo chocaba con poderosos enemigos y dificultades. Un dolor profundo nos había despertado del sueño de la utopía, abriéndonos los ojos ante la tragedia de un pequeño y violentado país al que no se le permitía ni respirar. El poderoso gendarme del norte había decidido castigarle por atreverse a ser libre con una cruel guerra de baja intensidad mediante fuerza interpuesta: los mismos oligarcas y sicarios que lo habían sojuzgado durante decenios, ahora terroristas mercenarios del imperio.

Conocimos así de primera mano el sufrimiento ajeno, nos dejamos allí la piel, en algunos casos literalmente, sucumbimos ante tanta ternura entregándonos al mestizaje, cultural y, en muchos casos, también personal y familiar, con un pueblo hospitalario hasta la fraternidad. Y, en definitiva, esa vivencia nos cambió e hizo mejores.

QUIENES nos hemos hoy aquí reunido, y quienes nos han enviado su adhesión, firmantes de este manifiesto, que fuimos cooperantes, o fundamos ONGs, o que desde cualquiera de las múltiples formas de compromiso personal escribimos en Nicaragua esa gran página masiva, coral y diversa, de la solidaridad internacional de los pueblos del estado español,

Quienes seguimos siendo internacionalistas, y participamos, ya sea de forma voluntaria o profesional, en otros proyectos, con otros pueblos que en el mundo luchan por su liberación y su desarrollo,

Quienes a veces nos preguntamos si el esfuerzo valió la pena, si sirvió para algo tanta energía invertida…

DECLARAMOS que sí, que mereció la pena, que, independientemente de lo que hagan o dejen de hacer los Gobiernos, aquella alianza de los ochenta entre los pueblos del mundo y el pueblo nicaragüense fue y seguirá siendo indestructible, porque fue sellada con coraje y sudor entre la gente y por la gente.

AFIRMAMOS que ningún Gobierno podrá destruir los vínculos de solidaridad y amistad que existen entre los pueblos del estado español y Nicaragua, y que esa experiencia pionera ha de inspirarnos para tender nuestra mano a todos los pueblos, colectivos y comunidades oprimidos, donde quiera que se hallen. Muy especialmente en estos momentos, cuando desde muchos países del norte, y en particular desde nuestro gobierno, se recortan hasta la irrelevancia los fondos de cooperación, se cercena el acceso a la justicia universal, y a cambio se invierte en nuevas barreras frente a los que huyen de la pobreza, la violencia y/o la persecución política.

ANIMAMOS a nuestra sociedad a seguir escribiendo nuevas páginas de fraternidad, solidaridad y acogida con quienes sufren opresión económica, política, cultural, de género o de cualquier tipo, por muy diferentes y lejanos que sean, rechazando usar la crisis como coartada para el egoísmo y la indiferencia.

30 años después, rememoramos a todos y todas los que desde cualquier rincón del planeta lo dejaron todo para acudir a la llamada de Nicaragua, reafirmamos, con Gioconda Belli, que la solidaridad es la ternura de los pueblos, y nos comprometemos a practicar y promover el internacionalismo activo, por encima, y a pesar de, los gobiernos y los intereses nacionales.

Madrid y Managua, 27 de septiembre de 2014

RI Política Interamericana. Sobre o texto do Miguel Chaia.

agosto 26, 2014

Ver as apresentações no slideshare.net

O endereço é http://www.slideshare.net/felixruizsanchez/presentations.

Felix

RI A década das cúpulas. A cúpula da criança.

agosto 14, 2014

A globalização e os “novos temas” em Relações Internacionais

Disciplina: Sociologia V “Agenda Internacional Contemporânea: abordagens sociológicas”

Curso de Relações Internacionais Faculdade de Ciências Sociais – PUCSP – 2014

Nota explicativa

  • •  Este livro se propõe descrever como e porque se formou, nas conferências sobre temas globais da década de 1990, uma agenda social planetária sob a égide da Assembléia Geral das Nações Unidas (ONU), tendo como principal elemento de ligação os direitos humanos, num contexto de desenvolvimento sustentável.

  • •  Estrutura do livro:
    Introdução: o significado da “agenda social da ONU” e seus “novos temas” a partir de 1990.
    Cúpula Mundial sobre a Criança (1990); Conferência da Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio – 92); Conferência de Viena sobre Direitos Humanos; Conferências de El Cairo (População e Desenvolvimento), Copenhague (Desenvolvimento Social), Pequim (Beijing) (Mulher) e de Istambul (Hábitat).

2

A Agenda Social Internacional em perspectiva: seus limites e avanços

As conferências denotam o abismo existente entre o que se aprovou no papel e a realidade atual. São uma referência essencial para fazer frente ao excludente e destrutivo processo de globalização sem controle do mundo pós-Guerra Fria.

3

Os “novos temas” no contexto do fim da ordem bipolar

“Tensões” na nova Ordem e o debate sobre o direito de ingerência.

• Após anos 1980 temas emergentes: controle de armamentos, narcotráfico, meio- ambiente e direitos humanos.

• “Novos temas” eram apoiados por países do Primeiro Mundo e ONGs e eram vistos com desconfiança por governos do Terceiro Mundo pelo temor às soberanias nacionais.

——————

O significado da década das conferências

• No âmbito da diplomacia multilateral muitas das regras acordadas, supostamente equânimes, sempre tenderam a privilegiar os poderosos.

• Distinção entre direito humanitário e “direito de ingerência”, aplicado desde 1981 e acelerado após 1991.

• Relançamento de uma auto- atribuída “missão civilizadora”. 

4

Cúpula Mundial sobre a Criança e seu antecedente:

A Convenção

Percepção partilhada de um mundo em processo de “revolução democrática” no Leste Europeu, em várias partes da África, da Ásia e das Américas Central e do Sul.

Contexto de dissolução do bloco socialista da Europa Oriental e de pacificação da África do Sul.

5

Antecedente: a Convenção sobre os Direitos da Criança

  • •  Um marco: a Convenção de 1989 sobre os Direitos da Criança.

  • •  Foi o primeiro tratado a regulamentar todos os direitos – civis, políticos, econômicos, sociais e culturais – de uma categoria universal de indivíduos, até então não encarados propriamente como sujeitos de direito.

  • •  Não os equipara, contudo, aos adulto nem exime os Estados, as sociedades e as famílias de suas obrigações intransferíveis.

  • •  Define as responsabilidades com o objetivo de assegurar o desenvolvimento integral da criança, tanto das instituições publicas quanto privadas.

6

Outros dispositivos da Convenção

  • •  Incumbe aos Estados:
    Propiciar direta ou indiretamente todos os direitos humanos à criança, fornecendo, além da segurança, educação e assistência básica de saúde a ela própria, liberdades civis e condições adequadas aos pais, as crianças não podem ser punidas ou discriminadas em função “da condição, das atividades, das opiniões manifestadas ou das crenças de seus pais, representantes legais ou familiares” (artigo 2, paragrafo 2°).

  • •  A convenção é bem abrangente descendo do geral ao parYcular abordando as questões de modo multimodal.

  • •  A convenção se auto-instrumentaliza para acompanhar a implementação dos seus dispositivos.

7

Cúpula Mundial sobre a Criança

Realizada em 1990 se compõe de uma Declaração e de um Plano de Ação para Estados e sociedades, organizações governamentais e não governamentais e toda a “família” do sistema Nações Unidas, em parYcular o Unicef como agência especializada com competência específica na matéria.

8

A declaração

  • •  A Declaração Mundial sobre a Sobrevivência, a Proteção e o Desenvolvimento da Criança contém 25 artigos. Os mais destacados:

  • •  Dar a cada criança um futuro melhor.

  • •  Apresenta um diagnósYco abrangente sobre a situação da infância.

  • •  Afirma que o compromisso essencial dos Chefes de Estado e de Governo é de empreender ação política “no mais alto nível” dando prioridade aos direitos da criança (artigos 18 e 19).

  • •  Ele se desenvolve num programa de dez pontos (relacionados no artigo 20), que começam pela determinação de promover a ratificação e implementação da Convenção sobre os Direitos da Criança.

  • •  Os nove pontos seguintes desse programa abrangem compromissos com relação a esforços nacionais e internacionais para oferecer melhores condições de saúde (inclusive pré-natal) e saneamento básico para erradicar a fome e a desnutrição.

9

Fortalecer o papel e a condição da mulher, para a valorização da família e em apoio a outros responsáveis pela criança, para a redução do analfabetismo e a oferta de oportunidades de educação sem discriminações de origem ou sexo.

Melhorar as condições de vida de milhões de crianças que vivem em circunstâncias particularmente difíceis. Entre as quais as vítimas do apartheid, os meninos e meninas de rua, os filhos de trabalhadores migrantes, as crianças refugiadas, flageladas e drogadas.

Sobre as crianças que trabalham, assume-se o compromisso de lutar pela abolição do trabalho infantil ilegal.
Para as crianças que se encontram em meio à situação de guerra, é feita a promessa de “tomar medidas para evitar conflitos armados”. Defende também a adoção de períodos de trégua e corredores de paz.

10

O Plano de Ação

• Os chefes de Estado e de Governo adotam um Plano de Ação com o compromisso de fornecer os recursos para fazer face a esses compromissos.

• O Plano divide-se em 3 partes:

  1. a)  Uma introdução prescritva sobre a orientação a ser seguida pelos governos nacionais, as organizações internacionais, as agências bilaterais de assistência, as organizações não governamentais, e a todos os outros setores da sociedade.

  2. b)  Ações específicas.

  3. c)  Ações deacompanhamento e avaliação nas esferas nacional einternacional.

• Definição de metas gerais, setoriais e de apoio

11

Um Balanço dos Resultados e Efeitos sobre a Agenda Social das Nações Unidas

  • •  O apelo feito pela Cúpula de 1990 pela ratificação foi extraordinariamente bem sucedido.

  • •  Em 1998 a Convenção de 1989 se havia tornado o tratado internacional de direitos humanos de maior aceitação na História, faltando a ratificação de somente dois países para alcançar a universalidade.

12

RI MA8 e NA8 – Programa 2/2014

agosto 8, 2014

SOCIOLOGIA V: Agenda Internacional Contemporânea: as abordagens sociológicas
2º Semestre/2014

Ementa: Avaliação das causas sociais e das formas políticas como a sociedade mundial vem enfrentando alguns dos principais problemas globais como a crise ecológica, o crescimento da desigualdade econômica entre Sul e Norte, o aumento da intolerância entre grupos sociais e as chamadas catástrofes humanitárias.

Conteúdo Programático:
No contexto da globalização e da emergência de uma sociedade mundial, o curso pretenderá discutir como essa sociedade vem enfrentando no plano da agenda internacional alguns dos chamados “novos temas”: a crise ecológica, a defesa de direitos humanos universais, as migrações internacionais e o crescimento da intolerância, o drama dos refugiados e deslocados internos nas guerras civis e o combate à pobreza e à fome, bem como o desafio de prover uma proteção maior às crianças e mulheres. Na análise dos atores políticos envolvidos nesse cenário internacional, o curso enfatizará o papel dos novos atores da sociedade civil mundial, como as organizações não-governamentais, os movimentos sociais e redes de movimentos, suas formas de atuação e os princípios que os norteiam.

Cronograma das Aulas:

1ª Semana: Apresentação do Curso, Bibliografia, formas de Avaliação

2ª Semana: A Globalização e os “novos temas em Relações Internacionais”: A globalização faz com as questões referentes à crise ecológica, aos direitos humanos e ao combate à pobreza se tornem temas internacionais. O enfraquecimento dos Estados-Nação e o surgimento de uma sociedade mundial. Retrocessos no século XXI?
Bibliografia:
Lindegren Alves, J.A., Relações Internacionais e Temas Sociais: A Década das Conferências, cap. 2, “Os “novos temas” e a cúpula precursora sobre a criança”, págs. 43 a 59.
______________, J.A., ____________. J.A., Os Direitos Humanos na Pós-Modernidade, cap. 3: Cidadania, Direitos Humanos e Globalização, pags.43 à 65.
Mignolo, Walter. Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. In Sousa Santos, Boaventura de (org.). Conhecimento Prudente para uma vida decente, São Paulo, Cortez, 2006.

3ª Semana: A sociedade mundial e o enfrentamento da Crise Ecológica: As Conferências sobre Desenvolvimento Sustentável de 1972, 1992, 2002 e Rio+20 e os Tratados Multilaterais sobre Meio Ambiente; avanços e recuos
Bibliografia:
Lindgren Alves, J.A., Relações Internacionais e Temas Sociais: A Década das Conferências, cap.3, “A Rio-92 como conferência social”, pags.59 à 77.
Porto-Gonçalves, C.W., Sustentando a Insustentabilidade, (documento digital)

4ª Semana: Abordagens sociológicas da crise ambiental: Sociologia do Risco e Politização das Tecnologias
A modernidade como gênese da atual crise ecológica: as características do conhecimento, da sociedade e do Estado na era da sociedade de risco. Conhecimento, Tecnologia e Meio Ambiente nas negociações internacionais: ADPIC, CDB, Protocolo de Cartagena e Convenção de Estocolmo.
Bibliografia Básica:
Beck, Ulrich, Sociedade de Risco: rumo a outra modernidade, cap.1, “Sobre a lógica da distribuição de riqueza e da distribuição de riscos”, págs. 23 a 60.
Lisboa, Marijane V., Cultura e natureza: o que o sofware tem a ver com os transgênicos? em Pretto, Nelson de Luca e Silveira, Sérgio Amadeu (orgs.) “Além das Redes de Colaboração”: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder”, EDUFBA, Salvador, 2008.

5ª Semana: Justiça Ambiental no marco das relações internacionais: O conceito de dívida ecológica, e efeitos da globalização sobre a crise ambiental
Bibliografia Básica:
Alier, Joan Martinez, O Ecologismo dos Pobres, capítulo: A dívida ecológica, pag. 287-333.
Porto-Gonçalves, Walter, A Globalização da Natureza e a Natureza da globalização”, Parte I, pág. 38 à 52 e Parte II, pág.59 à 76.

6ª Semana: Etnias, grupos minoritários, nacionalismos, conflitos urbanos e direitos humanos: as complicadas relações entre cidadania, direitos humanos e Estados Nação.
Bibliografia Básica:
Arendt, Hanna, Origens do Totalitarismo, Parte II, cap.5, “O declínio do Estado-nação e o fim dos direitos do homem” págs. 330 à 339.
Wacquant, Löic. Os condenados da cidade, Rio de Janeiro, Revan/IPPUR, 2001. Prólogo e Parte II. “Cinturão Vermelho e cinturão negro: América do Norte e França em comparação”.
Lindgren Alves, J.A., Os Direitos Humanos na Pós-Modernidade, cap. 10: “Direitos Humanos na Conjuntura Presente: Esboroamento sem Recuperação?”, págs.205 à 218, e Cap. 11:” Conclusão: O que sobrou dos Direitos Humanos”, págs.210 à 246.

7ª Semana: A invasão dos bárbaros do Sul: as grandes migrações na era do capitalismo, causas sociais das migrações do Sul para o Norte, os equívocos das políticas migratórias de contenção, o crescimento do racismo contra imigrantes e a emigração brasileira.

BibliografIa Básica:
Castles, Stephen. La era de la migración, Movimientos internacionales de población en el mundo moderno. Mexico, Universidad de Zacatecas, 2004.
Sayad, Abdelmalek, A Imigração ou os Paradoxos da Alteridade, Cap. 9, “A Ordem da Imigração na Ordem das Nações”, págs. 265 à 286.
Sassen, S., Contrageografias da Globalização: A feminização da sobrevivência, em TRABALHO DOMÉSTICO E DE CUIDADO.
Mármora, Lelia, Políticas de Migraciones en America Latina: Las Respuestas Gubernamentales y de la Sociedade civil em la Decada de los 90, em MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS: CONTRIBUIÇÕES PARA POLÍTICAS, págs. 33 a 44.
Waqcquant, Löic. Las cárceles de la miseria, Madrid, Editorial Ensayo, 2000.

8ª Semana: Guerras civis e conflitos étnicos no pós-Guerra Fria: a intensificação dos conflitos militares na periferia do mundo desenvolvimento. Genocídios e “massacres administrativos”.
Bibliografia Básica:
Sémelin, Jacques, Purificar e Destruir; usos políticos dos massacres e dos genocídios, Capítulo III: Contexto Internacional, guerra e mídia, págs.157 a 231.
Munanga Kabengelê, África: Trinta Anos de Processo de Independência, “Dossiê África/Brasil, Revista da O, nr.18.
Lindgren Alves, J.A., Os Direitos Humanos na Pós-Modernidade, cap. 6, “A Conferência de Durbhan contra o Racismo e a Responsabilidade de Todos”, págs. 113 à 141.
Rufin, Jean Christophe, O Império e os Novos Bárbaros, Cap.5, O direito à guerra para todos”, págs. 97 à 105.

9ª Semana: Refugiados, Deslocados Internos, “Refugiados Ambientais”, Direitos Humanos, Direitos Humanitários e Ajuda Humanitária: o drama dos refugiados e deslocados internos, o conflito entre a soberania nacional e os direitos humanos universais, o direito de ingerência e a atuação dos órgãos internacionais e das entidades humanitárias. O caso dos refugiados ambientais.
Bibliografia Básica:
Jean, F., The Plight of the World’s Refugees em “World in Crisis”, MSF, págs.42 à 57.
Guest, Ian e Bouchet-Saulnier, F, International Law and Reality: The Protection Gap em World in Crisis, MSF, PÁGS.79 à 100.
Marcolini, Adriana, As Perspectivas para os Refugiados no Século XXI, em REFUGIADOS:REALIDADE E PERSPECTIVAS, págs.197 a 210.
Castles, S., Citizanship and migration. Globalization and the politics of belonging. London, Macmillan Press.

10ª Semana: A gênese da fome no Sul: integração no mercado mundial, acesso à terra e êxodo rural. Bibliografia Básica:
Ziegler, Jean. Destruição em massa. Geopolítica da fome. São Paulo, Cortez Editora, 2013.
Davis, M., Holocaustos Coloniais, “Notas sobre Definições” e Parte IV: “A Ecologia da Fome”, Capítulo 9, “As Origens do Terceiro Mundo”, págs. 287 à 321.
Sen, Armatya, Desenvolvimento com Liberdade, cap.7 “Fomes Coletivas e outras Crises”. Pág.188 a 220.
Shiva, Vandana, Monoculturas da Mente, págs.21 à 85

11ª Semana: A questão do crescimento populacional, fome, direitos reprodutivos e a situação das mulheres: o acesso aos alimentos, políticas de segurança alimentar e políticas de controle da natalidade.
Bibliografia Básica:
Sen, Amartya, Desenvolvimento como Liberdade, cap.9. “População, Alimento e Liberdade”.
Lindgren Alves, Relações Internacionais e Temas Sociais, Cap. 5 “A Conferência de Cairo sobre População e Desenvolvimento e o Paradigma de Huntington, pags.149 a 181.
Lindgren Alves, Relações Internacionais e Temas Sociais, Cap.7, “A Conferência de Beijing e os fundamentalismos”, págs.211 a 245.

12ª Semana: Repensando os rumos da Humanidade

Bibliografia Básica:
DUPAS, G., o Mito do Progresso em NOVOS ESTUDOS:CEBRAP, nº 77, março de 2007.

13ª Semana: Seminários

14ª Semana: Seminários

15ª Semana: Seminários

16ª Semana: Seminários

17ª Semana: Conclusão do Curso. Avaliação do Curso

Metodologia: o Curso constituirá de aulas expositivas e debates sobre textos indicados para leitura, bem como de seminários realizados por grupos de alunos.

Avaliação: A avaliação será composta pela nota coletiva e individual da apresentação oral do seminário e do trabalho escrito entregue ao fim do curso. Caso os alunos não obtenham avaliação suficiente para serem aprovados, poderão realizar prova final versando sobre o conjunto do conteúdo do curso.

Entrevista com Guilherme Boulos, líder do MTST

junho 9, 2014

 

Para CSO e RI. Os movimentos sociais de hoje analisados pelo Manoel Castells.

maio 24, 2014

Para os interessados nos movimentos sociais de hoje este interessante artigo do Manoel Castells, bem atual.

 

Vandana Shiva e as pegadas da diversidade emancipatória.

maio 15, 2014

Eis a apresentação que preparei para hoje.

Aproveitem.

Um presente para nos conectarmos com nossas raízes.

maio 7, 2014

Interpretação do Ricardo Flecha (do Paraguay).

http://m.youtube.com/watch?v=_1S5rKOakHc

Entrevista a Jacques Rancière: “El maestro ignorante”

maio 1, 2014

Vale conhecer este trabalho do Rancière sobre conhecimento. De interesse para quem estuda MTP. O texto está em MTP 1.

Clionauta: Blog de Historia

El suplemento cultural (adncultura) del rotativo argentino La Nación ha ofrecido a sus lectores una entrevista con este pensador francés, del que ya hemos hablado en alguna que otra ocasión:


Por Luisa Corradini

Corresponsal en Francia – París, 2008

En 1818, la teoría de un extravagante pedagogo francés provocó una revolución en el rígido universo de la educación europea: “Quien enseña sin emancipar embrutece”, predicaba Joseph Jacotot. Todo hombre, todo niño, postulaba, tiene la capacidad de instruirse solo, sin maestro. El papel del docente debe limitarse a dirigir o mantener la atención del alumno. Jacotot proscribía a los maestros “explicadores” y proclamaba como base de su doctrina ciertas máximas paradójicas con las que se ganó virulentas críticas: todas las inteligencias son iguales. Quien quiere puede. Es posible enseñar lo que se ignora. Todo existe en todo.

Un siglo y medio después, el filósofo marxista Jacques Rancière consagró un libro,

Ver o post original 1.703 mais palavras